Onde vamos parar!

Escrevi essa crônica no inicio no primeiro semestre de Comunicação social. Aproveitando os últimos acontecimentos na cidade de Salvador achei oportuno divulgar minha visão sobre segurança.

politica_seguranca_publica

Meu Deus, onde vamos parar?

Estou pensando seriamente em convidar os delinqüentes do meu bairro para um chá das cinco, pois até com a malandragem está sendo preciso, hoje em dia, criar uma política de boa vizinhança.

Temos a sensação de estarmos menos seguros a cada dia. A violência aumenta gradativamente num surto como pólvora. Nossas casas viraram prisões e ou palácios tecnologicamente protegidos. As janelas são protegidas com grades, os portões são eletrônicos e tem sensor de presença, as entradas das casas são monitoradas por circuito interno de TV. Precisamos de seguranças contratados para vigiar o movimento das ruas,  cachorro de guarda e cercas eletrificadas cobrindo a área do terreno. As prisões estaduais e municipais têm arsenais similares às proteções caseiras, mas os presos teoricamente cometeram algum crime e por esse motivo estão em regime fechado para uma possível reabilitação.

Há algum tempo quando voltava para casa, ao descer do ônibus, eu tinha a sensação de estar cada vez mais perto da paz do meu lar. Quanto mais próximo da minha casa mais o coração ia aliviando e se tranqüilizando, pois a familiaridade com o local e com as pessoas trazem esse sentimento de ambiente conhecido (protegido). Hoje o coração vai “armado” até a porta de casa e só desarma quando o portão esta trancado por dentro.

Será necessário andar armado? Minha rua se transforma num deserto após as 22h30. Dá medo de caminhar tranquilamente e descompromissadamente. Os passos são rápidos e precisos, sem muita distração e com muita observação nos movimentos sinuosos em becos e travessas. Uma das técnicas usadas pelos vizinhos é de trazer o bandido e ou meliante para o seio da família; se mostrar amigo e “preocupado” com a harmonia social. Fazer isso é estar bem na mira dos bandidos. Dar um pão, um quilo de açúcar, uma xícara de café, um trocado para um cigarro ou alguma outra droga são técnicas cada vez mais comuns para se sentir e estar protegido pelos ladrões que se agrada. Protegido pelos ladrões? Parece ironia.

E nós preocupados com uma possível greve da Polícia Militar. Policia faz o que mesmo? Que medo bobo é esse de ter greve se são, na grande maioria, os bandidos que protegem a população dos bairros humildes e populosos.

Precisamos pensar e repensar nossos conceitos. Que sociedade queremos para nossos filhos? O que vamos fazer para contribuir efetivamente nessa mudança? Quem a policia realmente protege?

Meu Deus, onde vamos parar!!!!!

Anúncios

~ por Luiz Ribeiro em 07/08/2009.

Uma resposta to “Onde vamos parar!”

  1. Show de bola seu texto e puramente verdade!!! Não sei realmente onde vamos parar =(

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: